sábado, 27 de junho de 2015

Os Sinais dos Tempos


          A decisão à favor do casamento gay tomada ontem pela Suprema Corte americana é emblemática, pois é marca indelével de uma nova era. A questão em voga não é a decisão em si, pois em 2013 a união civil homoafetiva foi regulamentada no Brasil pelo Conselho Nacional de Justiça, mas o lugar e a forma como a mesma foi promulgada. Os EUA desde a sua fundação foram reconhecidos como uma nação livre, democrática, com Estados independentes e acima de tudo estabelecida sob a égide dos princípios morais e éticos do protestantismo, que por sua vez tem sua base na cultura judaico-cristã. O que nos chama atenção na pressão popular que resultou na sentença de ontem, foi a mudança abrupta na visão conservadora da nação. Segundo analistas, no início do século menos de 20% dos americanos aprovavam a união homoafetiva, hoje são mais de 60%. Essa mudança repentina não é um fenômeno ianque, mas uma tendencia mundial e não está atrelada apenas as questões da liberdade sexual.
          O dia 26 de junho de 2015 tornou-se histórico também pelo reconhecimento da legitimidade do Estado Palestino por parte do Vaticano, o que afronta diretamente a soberania do Estado de Israel. Reconhecer uma nação que dá suporte a grupos terroristas fundamentalistas que se especializaram em martirizar cristãos é no mínimo um contrassenso. Vale ressaltar que no mesmo dia aconteciam na França, Kuwait e Tunísia atentados ligados a tais grupos. Vemos claramente o desenho de um movimento mundial que tem  como alvo as tradições judaico cristãs, que fundamentaram a civilização e o pensamento ocidental. Tudo isso não é coincidência! O mundo está mudando de forma rápida e muitos estão desapercebidos. Um governo mundial pagão, que será o palco do anticristo está sendo montado.
          Li um artigo muito lúcido escrito pelo reverendo presbiteriano Leandro Lima (o link está no fim da reflexão). O autor faz uma leitura realista das mudanças que estão ocorrendo na sociedade contemporânea destacando a importância de analisarmos os novos paradigmas à luz das sagradas escrituras. Não podemos nos enganar, pois a luta do ativismo gay não é primariamente por mais direitos, mas é sim contra o pensamento, ou como dizem a ideologia cristã. Assim como a decisão do Vaticano não está focada no bem estar dos palestinos, mas sim numa clara ação contra Israel e contra sua soberania. Paralelo a tudo isso estamos vendo surgir a igreja apóstata, que muitos sempre consideraram ser a Igreja de Roma. Enganaram-se, pois a igreja adúltera é aquela que travestida de cristianismo se amolda a cultura, aos valores e a ideologia de um mundo sem Deus. Ela é composta por pseudo cristãos que em nome de um amor tolerante se levantam contra os princípios divinos renegando assim o verdadeiro amor. É triste observamos ditos cristãos apoiando causas antibíblicas em nome da tolerância e do bem comum. Uma igreja que perdeu o rumo, que perdeu a trilha de Jesus, deixando-se contaminar literalmente pelo colorido deste mundo.
          O que os inimigos de Cristo parecem não levar em consideração é o fato de que eles não estão lutando contra uma ideologia, nem contra um sistema filosófico. O nosso Deus vive e está a frente de Sua Igreja e como Ele mesmo proferiu: as portas do inferno se levantarão e cairão diante da Noiva do Cordeiro. Os verdadeiros cristãos precisam estar atentos, pois os dias que se aproximam são maus. Mas nada disso deveria ser novidade para nós, haja visto que tudo foi predito pelo próprio Cristo, como em Mateus 24 e também em vários outros textos bíblicos, como: 2ª Tessalonicenses 2, 2ª Pedro 3.... Os sinais dos tempos são marcados por um levante mundial contra o Cristo e Sua Igreja, por um crescimento da iniquidade, por turbulências mundiais e pelo estabelecimento da igreja apóstata. Portanto devemos fazer exatamente o que nos orienta as sagradas escrituras: É tempo de vigiar e orar, tempo de santificação e de evangelização. O noivo está à porta para buscar a sua noiva.

(https://www.facebook.com/revleandrolima/posts/1618596348425454:0).

domingo, 14 de junho de 2015

Ser Pastor!


Hoje comemora-se o Dia do pastor. Vivemos tempos onde a figura pastoral muitas vezes tem assumido nuances bem distintas daquelas mencionadas nas Sagradas Escrituras. Segundo a Palavra de Deus ser pastor não é profissão, meio de vida e muito menos empreendedorismo. O próprio Cristo definiu-se como o bom pastor, ressaltando que por isso daria a vida por suas ovelhas.  Meditando no Salmo 23 podemos definir melhor as características de um pastor que sacrifica a sua vida por amor ao rebanho do Senhor. Neste salmo encontramos as virtudes necessárias para que um pastor seja considerado um ministro segundo o coração de Deus.
Ama o rebanho do Senhor - No evangelho de João, capítulo 21, versículos 15 a 17, Jesus por três vezes pergunta a Pedro se ele o amava e todas as vezes o apóstolo repetiu que sim, sendo sempre   interpelado por Cristo a apascentar o seu rebanho. A maior manifestação de amor a Cristo que um pastor pode dar é apascentar as ovelhas do Bom Pastor.
Guia o rebanho do Senhor - O escritor americano Eugene Peterson, em seu livro O Pastor Segundo o Coração de Deus ressalta que a função mais importante de um guia espiritual é ouvir a direção de Deus e transmiti-la ao seu povo. Vemos que Moisés, o maior líder de todos os tempos depois de Cristo, orientou a nação de Israel durante a peregrinação no deserto, sempre buscando a orientação divina. Só Deus pode direcionar o Seu rebanho para o lugar certo.
Intercede pelo rebanho do Senhor - Assim como no item anterior, podemos usar o exemplo de Moisés, que de maneira eficaz representou o seu povo diante de Deus. Uma passagem que ilustra bem isso está em Êxodo 32:32. Naquela ocasião ele pede ao Senhor para perdoar e não destruir ao povo, do contrário que o seu nome fosse riscado do Livro da Vida. Tenho certeza que Deus se alegrou tremendamente com o líder que estava a frente da nação escolhida. 
Alimenta adequadamente o rebanho do Senhor - O Salmo 23 destaca que o pastor leva as suas ovelhas aos pastos verdejantes. Vivemos na geração do Fast food (comida rápida), onde tudo tem que ser para ontem. Infelizmente muitos líderes espirituais tem alimentado suas congregações com "comidas" requentadas, enlatadas e até vencidas. Em 2ª Timóteo 2:15, Paulo admoesta o jovem pastor a manejar bem a Palavra de Deus, ou seja, o sacerdote precisa dedicar tempo para estudar a Bíblia e outros livros que lhe auxiliem a  fornecer um alimento fresco e nutritivo para suas igrejas.
Leva refrigério ao rebanho do Senhor - Ainda no Salmo 23, lemos que o bom pastor leva seu rebanho as águas tranquilas e limpas.  No livro de Ezequiel, capítulo 47, encontramos a descrição da visão que o profeta teve das águas que saiam de debaixo do altar, inundavam o templo do Senhor e saneavam todos os lugares por onde passavam. Aquilo é uma ilustração da ação do Espírito Santo na vida da igreja. Portanto uma função primordial do pastor é conduzir o seu povo a presença de Deus, para que assim tenham o refrigério que precisam.
Auxilia o rebanho do Senhor nas adversidades da vida - Continuamos no Salmo 23, onde vemos o bom pastor acompanhar suas ovelhas até mesmo no vale da sombra da morte. Um pastor segundo o coração de Deus sempre está a disposição de seus discípulos para orientar, aconselhar, consolar, apascentar, etc.
Disciplina e corrige o rebanho do Senhor - No mesmo Salmo 23 encontramos o bom pastor conduzindo seu rebanho com o cajado e com o bordão, ambos instrumentos de disciplina. Como líderes espirituais precisamos saber a dose certa da correção, pois Deus não deseja ver seus filhos conduzidos por um ditador e nem por um líder permissivo. Devemos sempre disciplinar com amor e mansidão, visando sempre a restauração do cristão. "Porque o Senhor repreende aquele a quem ama, assim como o pai ao filho a quem quer bem". Provérbios. 3:12.
Somente os pastores que reúnem estas características estão aptos para conduzirem as ovelhas do Senhor para a terra prometida. A Palavra de Deus diz em 1ª Timóteo. 3: 1, que excelente obra almeja aquele que quer servir ao Senhor, também diz em Lucas. 12: 48 que a quem muito é dado, muito lhe será cobrado. Ser pastor é mais que ser empregado de uma congregação, é ser escolhido pelo próprio Deus para conduzir o rebanho que seu filho Jesus conquistou na cruz até a terra prometida.