domingo, 11 de maio de 2014

Deus Mandou Mamãe



          Creio que o texto bíblico mais apropriado para descrever a figura da mãe encontra-se em 1ª Coríntios, capítulo 13, versículo 7. Ali está escrito que o amor tudo crê, tudo sofre, tudo espera e tudo suporta. Como diz um o velho ditado: "Ser mãe é padecer no paraíso". Alguns alegam que não podem crer em Deus porque nunca o viram, mas basta olhar ao lado e logo encontrarão a mais bela representação da divindade. Nas mamães o amor de Deus revela-se de maneira tão límpida e concreta, pois somente O Criador e as mães nunca desistem dos seus filhos.
          O amor que acredita, mesmo quando todos já desistiram, inclusive os pais. O amor que enfrenta os desafios nas escolas, hospitais, delegacias e presídios, ora sorrindo, ora chorando, mas nunca deixando de crer, de esperar e de acreditar naqueles que pôs no mundo.
          O amor que sofre, as vezes aos gritos, outras em silencio profundo, mas que não desiste, não se entrega e não se dá por vencido. O sofrimento dos filhos inevitavelmente é transmitido para as mães, pois o elo de ligação não se rompe com a soltura do cordão umbilical, mas se estende por toda a vida.
          O amor que espera, que é resiliente, perseverante e teimoso. O amor que não impõe condições e não espera nada em troca. O amor doador e fiel, àquele que está ao alcance enquanto na velha mãe existir o fôlego de vida.
          O amor que tudo suporta, mesmo os vexames, as afrontas e as aflições que o mundo cruel lhes impõe. O amor que aguenta o desprezo, a ingratidão, o abandono, mas que não consegue deixar de amar.
          Assim é o amor de mãe, igual ao amor de Deus, que mesmo sendo renegado, abandonado e blasfemado, não consegue abrir mão da humanidade. Termino essa pequena homenagem lembrando de Maria. Todos os discípulos, seguidores e amigos abandonaram o Cristo, mas até o fim, até o último suspiro havia uma MÃE aos pés da cruz. Filhos valorizem o maior presente que Deus concedeu a vocês.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou desse post?