quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Jesus e o Natal


          Hoje é natal! Mas o que significa o natal? Nessa breve reflexão não pretendo discorrer sobre a minha concepção a respeito da data, até porque respeito aqueles que divergem da minha opinião. Porém gostaria de chamar atenção sobre a necessidade de praticarmos diariamente os valores propagados e difundidos pela ação do "espírito natalino". Sei que é um grande desafio, mas acredito que o natal pode se repetir 365 dias por ano através da aplicação prática dos valores da família, do perdão, da fraternidade e da verdadeira espiritualidade.
          Em relação aos símbolos da festa natalina (árvore de natal, papai noel, ceia, etc.) não vejo nenhuma correlação com o nascimento do Cordeiro de Deus. Creio que o verdadeiro sentido desse momento deve orbitar na importância da unidade familiar, na prática abnegada do perdão, na fraternidade entre as pessoas sem nenhum tipo de distinção ou discriminação e acima de tudo na relevância do nascimento, da vida, da morte e da ressurreição Daquele que veio ao mundo para reconciliar a humanidade com o Criador.
          Nesse período as famílias se confraternizam em torno da lembrança do nascimento do menino Jesus, o que é muito bom, porém é salutar que as famílias continuem unidas todos os dias praticando o perdão, o companheirismo, a fraternidade e o diálogo e que mesmo em meio as lutas e dificuldades sempre possam lembrar da mensagem de esperança do carpinteiro de Nazaré.
          Outra mensagem propagada nesses dias é o perdão. Essa nobre atitude deve permear nosso viver o ano todo, pois é a condição primordial para recebermos o perdão divino. O Messias nos ensinou que perdoar não é uma característica do fracos, mas sim dos fortes, que a despeito das ofensas sempre estão dispostos a liberar o perdão, mesmo quando for necessário perdoar o irmão 490 vezes num único dia.
          A fraternidade é outro tema que está em alta nesse período, infelizmente nos deparamos com uma realidade bem diferente, pois, vemos que o homem tem trilhado o caminho do egoísmo, da discriminação, da violência, da ganância e de tantas outras mazelas que assassinam qualquer vislumbre do amor fraterno. Precisamos parar e pensar, para compreendermos que não somos ilhas e que por mais que tenhamos recursos intelectuais e materiais em abundancia sempre precisaremos uns dos outros.
          Porém a maior enfase natalina gira em torno do nascimento de Cristo. É interessante notar que o chamado do Evangelho não é para que Ele nasça em nós, mas para que nasçamos Nele, para uma nova vida; uma vida transformada. Enfatizo que não vejo problema algum em comemorar o nascimento de Jesus numa data que sabemos que não é a correta, pois o que vale é a intenção. O grande problema é esquecer-se do Messias nos outros 364 dias do ano. O senhor não quer uma legião de fãs que lembrem-se Dele esporadicamente, mas anseia por discípulos que façam dos seus ensinamentos um estilo de vida. É indispensável que Jesus esteja presente diariamente em nossas vidas através da poderosa mensagem do evangelho.
          Que a partir de hoje possamos viver o natal todos os dias, celebrando com Deus o verdadeiro sentido da vida, da família, do perdão e da fraternidade entre os povos, pois esse foi o motivo do nascimento, da vida, da morte e da ressurreição de Jesus Cristo. Dessa forma alegraremos o Seu coração e viveremos o verdadeiro sentido da Sua pregação. Que Deus possa continuar abençoando você e sua família sempre, grande abraço.