quarta-feira, 24 de abril de 2013

Mais Relacionamento, Menos Religiosidade


          Quando contemplamos o sacrifício de Cristo podemos dimensionar o tamanho do seu amor. Segundo o Apóstolo Paulo, tudo se justifica pelo enorme anseio de Deus em reconciliar a humanidade consigo mesmo. Reconciliação fala de restauração de relacionamento, sendo assim, entendo que o objetivo máximo do Pai ao entregar o Filho, foi se reaproximar de cada um de nós. Deus quer resgatar a intimidade perdida no Éden. O próprio Jesus exemplificou isso, através da parábola da videira, enfatizando que os galhos só subsistem se ligados à planta e que sem Ele nada poderíamos fazer.
          Como então podemos construir um verdadeiro relacionamento com o Eterno? Da mesma forma que edificamos uma amizade com o nosso próximo, ou seja, através do diálogo e do tempo dispensados um ao outro. A religião, termo do latim "religare" que significa religar o homem a Deus, nasceu com essa finalidade, mas, pela ação dos homens foi perdendo seu significado e transformando-se em um simples conjunto normativo de práticas e tradições, que por fim só envenena a alma humana sedenta pela Água da vida. A verdadeira religião brota de um relacionamento legitimo com o Senhor e só pode ser edificado através da oração e do conhecimento da Santa Palavra.
         Quando conhecemos o Pai assim como Jó o conheceu, com os olhos da experiência vivida, entramos numa nova dimensão de fé, onde em primeiro lugar descobrimos o sentido de nossas vidas e o propósito pelo qual existimos. Além disso, passamos a enxergar a realidade pelo ponto de vista da eternidade, o que com certeza nos levará a viver com mais responsabilidade, sempre na perspectiva de que a vontade soberana do Criador se estabeleça em nós.
          É claro que o Pai sabe que a distância entre o discurso filosófico e a prática é enorme, por isso não lançou essa grande responsabilidade apenas sobre os nossos ombros, mas nos enviou o Consolador com a missão de nos levar a desfrutar da intimidade divina. O Espírito Santo é o nosso ajudador, pois é aquele que nos conhece melhor que nós mesmos, nos ajuda nos momentos sombrios e intercede por nós com gemidos de amor e compaixão. O Pr Benny Hinn em seu livro "Bom dia Espírito Santo" aborda esse tema de um ponto de vista precioso, pois, a essência da Trindade está Nele e Ele está entre nós, sempre a nossa disposição, pronto para ser bem mais que um escape nas horas de angústia, mas um amigo presente.
          Essa compreensão nos leva diretamente à vida abundante prometida por Jesus, aos rios de água viva que devem fluir do nosso interior e à paz que excede a todo entendimento. Esse é o jugo suave e o fardo leve que o Messias anseia por trocar pela pesada bagagem da religiosidade e do pseudo-espiritualismo que insistimos em levar sobre as nossas costas. Ele está vivo e está pertinho de você. Fale com Ele agora e descubra a nova vida que espera por você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou desse post?