terça-feira, 30 de outubro de 2012

A SÍNDROME DO FILHO PRÓDIGO

Ao lermos essa passagem, somos condicionados a pensar nas pessoas que estão afastadas da igreja, desviadas do evangelho. Mas, se prestarmos a devida atenção a história, notaremos que a enfase da parábola consiste no filho afastado do Pai, ou seja, fala de relacionamento. Trazendo para o contexto cristão, estar afastado de Deus não implica necessariamente em estar longe da congregação. Não quero de forma alguma ser juiz sobre a noiva do Cordeiro, mas, é fato que muitas pessoas frequentam semanalmente os templos, exibindo em muitos casos o status de liderança, e mesmo assim estão distantes do coração e do propósito de Deus, sendo autênticos filhos pródigos.
No início do livro do Apocalipse temos um exemplo claro dessa realidade. Na carta a Igreja de Éfeso, Jesus relaciona as qualidades daquela congregação, que diga-se de passagem era muitas, mas destaca um grave erro cometido ali, que se não fosse corrigido colocaria tudo a perder. Aqueles irmãos eram muito atuantes na obra, mas haviam abandonado o primeiro amor. Note que é perfeitamente possível estar envolvido com coisas relacionadas a Deus e ainda assim estar distante da Sua presença.

Essa parábola fala de relacionamento, não de religião; fala de estar junto, não de cumprir tarefas; fala de comunhão, não de obrigação. O pródigo ao decidir ir embora de casa não estava abrindo mão apenas do patrimônio, mas acima de tudo, de sua família e de sua relação com um pai amoroso. Quando contextualizamos essa ilustração, percebemos que estar inserido numa comunidade de fé não implica necessariamente em ter um relacionamento verdadeiro com o Senhor. Em situação semelhante estão aqueles que se afastaram de Deus e da congregação, pois se encontram perdidos e rumando a passos largos para a condenação. Em ambos os casos a única saída é o retorno à presença do Senhor.

1. Características da síndrome do filho pródigo

Passo a destacar algumas características presentes na trajetória de um filho pródigo:
Em primeiro lugar, o filho pródigo acredita que é dono dos bens do pai. A Bíblia ensina que somos despenseiros dos dons, das bençãos e da herança divina, ou seja, não somos donos, mas apenas mordomos de tudo que Deus nos entregou. Dessa forma, quando nos afastamos do criador, deixamos de ser despenseiros da aliança e como consequência perdemos aquilo que Ele nos confiou. Foi exatamente o que aconteceu na história, pois os benefícios temporários obtidos pela simples filiação foram desperdiçados, enquanto os permanentes foram perdidos e só recuperados pela misericórdia do pai.

Em segundo lugar, o filho pródigo acredita que pode viver irresponsavelmente e que esse estilo de vida não cobrará seu preço. Ledo engano! Toda vida fora do propósito do Pai tem um preço. O chamado de Jeremias, narrado no primeiro capítulo do seu livro, mostra claramente que Deus tem uma missão específica para os seus escolhidos e quando estes decidem trilhar uma vida paralela a esse chamado, passam a sofrer as terríveis consequências da desobediência. Foi exatamente o que aconteceu na história. A aliança entre o pai e o filho está fiada completamente no propósito, não tendo valor algum fora dele.

Em terceiro lugar, o filho pródigo sempre acaba junto aos porcos. Analise a vida daqueles que um dia estiveram na presença de Deus e que por algum motivo se afastaram. Você verá que o estado terminal é sempre pior que o primeiro. Isso vale para os pródigos que estão na igreja, pois, estão lá em corpo, mas suas almas continuam distantes do Pai, tão afundadas no pecado, que não conseguem enxergar a realidade espiritual que os cerca. Estão na casa do pão, mas contentam-se com a comida dos porcos.

2. A parábola do filho pródigo fala de misericórdia 

Essa ilustração tem a misericórdia do Deus como ponto alto. Caindo em si, o pródigo retorna humilhado à casa do pai esperando ser aceito como um simples empregado. Mas, de maneira inesperada encontra o pai de braços abertos, disposto a restituir tudo o que fora perdido no ato da rebelião. Aqui percebemos o caráter restitutório do Senhor, pois, Ele não quer apenas perdoar; quer ir além; quer reintegrar o filho da maneira mais ampla possível. Cada um dos itens envolvidos na restituição tem um significado.

As vestes brancas falam de testemunho. Alguém que conhece a Cristo e se afasta de sua presença perde de imediato o seu testemunho cristão diante dos céus, do inferno e dos homens. A própria Palavra de Deus afirma que a situação dessa pessoa será bem pior que a anterior ao momento de sua conversão (Mt. 12: 45). A reconciliação com o Pai ocorre através do arrependimento, possibilitando a restauração do testemunho, bem como a oportunidade de escrever uma nova história.

O anel da família fala de aliança. Deus é fiel à Sua Palavra, tornando-se fiel ao homem quando este vive dentro dos princípios estabelecidos por Ele. Fidelidade implica necessariamente em estar aliançado, ou seja, o Senhor tem compromisso com quem tem compromisso com Ele, logo, quem Dele se afastar está automaticamente fora de Sua aliança e dos benefícios por ela proporcionados. Quando um desviado retorna a casa de Deus, retorna também aos limites da aliança divina.

As sandálias falam de ministério e dons. No capítulo 6 da carta aos efésios, o apóstolo Paulo cita os acessórios da armadura de Deus, entre eles, destacamos o "calçar os pés com a preparação do evangelho da paz". Todos que são salvos em Cristo, recebem como missão o ministério da reconciliação (1ª Coríntios 5: 18), ou seja, são convocados para compartilhar a mensagem da salvação através de seus dons e talentos. Ao retornar à presença de Deus, o pródigo é reinserido na missão divina.

Por fim um grande banquete, que compreende as bençãos, a herança e a salvação eterna. Deus deseja que seus filhos sejam abençoados com abundancia. Infelizmente, muitos reduziram a compreensão de benção ao acúmulo de bens e riquezas. A vida abundante compreende uma existência plena de significado, que mesmo em meio as aflições, consegue desfrutar da felicidade em todas as áreas da vida e isso só pode ser encontrado no centro da vontade do Deus. Todos que retornam a cada do Pai são agraciados com uma vida que vale a pena ser vivida.

Posso falar com propriedade do assunto, pois, já fui um filho pródigo dentro da igreja e pela maravilhosa misericórdia divina compreendi que só em Cristo eu poderia viver a plenitude da vontade de Deus. Se você está dentro ou fora da igreja, mas se sente afastado da presença divina é hora de voltar, é hora de retornar à presença do Salvador. Não perca tempo, pois o Pai te espera de braços abertos, disposto a restituir tudo aquilo que você perdeu ao se afastar Dele. Volte, arrependa-se e deixe que o demais Ele fará.

4 comentários:

  1. Por outro lado tem o filho que mesmo junto do Pai não desfrutava do convivio, muitos estão junto fisicamente mas separados espiritualmente.

    ResponderExcluir
  2. Provavelmente tão pródigo quanto o outro, um grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Wanderbeth "Xuxinha Yeshua"31 de outubro de 2012 08:19

    Realmente tem muitas pessoas vivendo como um filho pródigo, querendo fazer as suas proprias vontade e não a do pai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Wanderbeth, infelizmente é verdade, um abraço.

      Excluir

O que você achou desse post?