quarta-feira, 20 de junho de 2012

Encontrando o Propósito



          Provavelmente o maior obstáculo enfrentado por qualquer ser humano é a falta de propósito, pois, ninguém chegará a lugar algum, sem antes saber para onde está indo. Esse com certeza é um dilema que já sepultou milhares de sonhos e projetos brilhantes. Sempre quando trato desse assunto penso em três perguntas que podem nos levar a uma resposta definitiva: De onde vim? Por que vim? e Para onde vou? Quando conseguimos responder a essas questões encontramos o propósito de nossas vidas.
          Somente dentro de uma perspectiva bíblica podemos encontrar a úncia resposta satisfatória, pois, segundo as Escrituras Sagradas viemos de Deus, para Deus e voltaremos para Ele no final. Quando analiso a situação por essa ótica, posso entender que se o Pai me criou, o fez com um propósito específico e definido, ou seja, como vemos no relato do profeta Jeremias, no primeiro capítulo de seu livro, fomos criados para executar uma missão divina nessa terra. Infelizmente por causa da rebelião adâmica a raça humana perdeu o propósito original, desviando-se pelos mais torpes caminhos, sempre em busca de algo para o preenchimento do grande vazio interior, que diga-se de passagem só pode ser preenchido quando encontramos o nosso propósito original.
          Graças a Deus o sacrifício de Cristo alcançou todas as áreas de nossa vida, inclusive a redenção do nosso propósito. Jesus, através do sangue derramado dos seus pés, quando cravados na cruz, restaurou a direção de nossas vidas. Na armadura do cristão descrita no livro de Efésios encontramos a recomendação de Paulo para calçarmos os pés com a preparação do evangelho da paz. Dessa forma podemos compreender que de uma maneira ímpar serviremos a Deus nessa terra, dentro de um plano maior e pré-estabelecido antes do nosso nascimento.

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Metanoia


          Esse é um tema chave para a compreensão do Cristianismo. Tanto João Batista, quanto Jesus iniciaram seus ministérios conclamando o povo para a prática do arrependimento. Tenho a plena convicção de que o ser humano que não experimentar o verdadeiro arrependimento, jamais poderá alcançar a salvação em Cristo. Mesmo sendo de fundamental relevância para a vivencia do genuíno cristianismo, esse é um tema ainda mal interpretado, que portanto merece ser mais aprofundado.           
          Costumamos interpretar o arrependimento como um sentimento de profundo pesar por uma falta cometida. Entretanto, quando passamos a analisar o sentido original da palavra, encontrada na Bíblia, nos deparamos com um conceito bem mais profundo que esse. A palavra grega que denomina o termo é "Metanoia", que é a composição de duas palavras;  "Meta" (mudança, conversão, transformação etc.) e "Nóia" (mente, consciência, atitude, pensamento, etc.). Dessa forma podemos definir o arrependimento (Metanoia) como mudança de mente, consciência, atitude.
          Quando contemplamos o quadro por esse ponto de vista, compreendemos melhor o propósito de Jesus, haja vista, que sempre que possível enfatizava em seus discursos que estava nessa terra com a missão de implantar o Reino de Deus, que diga-se de passagem, a priori, não é um reino (governo) material, mas um reino de consciência. Ainda nessa mesma linha de raciocínio entendemos que a conversão é muito mais que a adoção de um série de ritos, práticas e hábitos saudáveis, mas, é o processo de formação de uma nova consciência, que nos fará enxergar o todo que nos cerca, dentro dos princípios estabelecidos pela Palavra de Deus.

segunda-feira, 11 de junho de 2012

Resgatando a Produtividade


          Através da aplicação do sangue derramado quando perfuraram as mãos de Cristo durante a crucificação somos redimidos da maldição da ruína financeira, pois recebemos o resgate da produtividade em nossas vidas. Deus ao criar o homem deu-lhe dons e talentos específicos, para que através dos mesmos ele pudesse obter seu sustento e glorificar assim ao Criador. Infelizmente, após a queda no éden perdemos esse DNA divino e passamos a sofrer com a maldição da miséria e da escassez. Entretanto, esse não é o projeto de Deus para seus filhos amados, antes, Ele deseja que todos nós possamos explorar o potencial que há em nossas vidas.
          A Bíblia afirma que satanás vem somente para roubar, matar e destruir, portanto, seus projetos sempre conspirarão contra os filhos dos homens. Analise e veja como o pecado paralisa a nossa capacidade criativa e nos deixa a mercê de uma vida aprisionada por dívidas e necessidades. Saiba que o Senhor planejou para o homem o melhor dessa terra, mas o afastamento do Criador impede o mesmo de desfrutar essas bençãos. Você pode me perguntar por que existem pessoas que não servem a Cristo e são ricas? Eu te respondo que ter uma vida abundante é muito mais do que ter simplesmente dinheiro.
          Jesus através do derramamento do sangue de suas mãos resgata a produtividade humana perdida no éden. Vale ressaltar que a compreensão dessa produtividade vai além de produzir mais, pois, significa antes de tudo produzir dentro de um propósito específico, ou seja, não adianta nos matarmos de trabalhar e investirmos tudo em algo que não valha a pena. Busque em Deus os dons e talentos que Ele confiou a você e se aperfeiçoe neles, pois, dessa forma você terá o sustento necessário para sobreviver e ainda glorificará o nome do altíssimo através do seu trabalho.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Recebendo de Volta a Identidade Divina



          No livro do profeta Isaías, capítulo 50, versículo 6 está escrito: "Ofereci minhas costas para aqueles que me batiam, meu rosto para aqueles que arrancavam minha barba; não escondi a face da zombaria e da cuspida".  Essa passagem é um relato profético do que aconteceria com o Messias durante o processo da crucificação. Naquele tempo, o ato de arrancar a barba representava a forma mais cruel de desonra e humilhação, sendo que em Cristo essa barbárie evidencia muito mais que uma forma desumana  de tortura, antes, o resgate da identidade humana perdida no éden.
          Ao rebelar-se contra a vontade de Deus, o homem começou o processo progressivo de afastamento do Criador, perdendo gradativamente a imagem e semelhança divina. À medida que se afastou do Criador, aproximou-se do seu arqui inimigo, recebendo como herança as características malignas de seu caráter deturpado. Por isso é necessário que o homem seja alcançado pelo sacrifício de Jesus, para que possa iniciar seu caminho de volta à imagem e semelhança do Pai.
          Através daquela terrível cena de zombaria e escarnio, Jesus nos deu novamente direito a identidade original. Dessa forma compreendemos que o sangue derramado da barba de Cristo fala da redenção da  identidade, pois, sendo humilhado pelos soldados romanos, Ele nos elevou novamente à condição de filhos, nos dando o direito de sermos mais uma vez iguais ao Pai. Porém, não basta possuirmos tal compreensão,  devemos coloca-la em prática através da aplicação do sangue que foi derramado da barba de Cristo para o resgate de nossa identidade em Deus.